SAÚDE

Vacinas que o bebê deve tomar na maternidade

26 de junho de 2017 , por Equipe Danone Baby

Vacinas previnem doenças como poliomielite, gripe, tuberculose e hepatite


A vacinação infantil é fundamental para proteger a criança de inúmeras doenças. Todo recém-nascido deve ter sua própria carteira de vacinação e é responsabilidade dos pais cuidar para que esteja sempre atualizada.

No Brasil, as vacinas incluídas no calendário do Ministério da Saúde são gratuitas, ministradas em postos de saúde. As primeiras picadinhas, no entanto, são aplicadas quando o bebê ainda está na maternidade.

De acordo com o Ministério da Saúde, o recém-nascido deve receber, nas primeiras horas de vida, a vacina contra a hepatite B e a vacina contra a tuberculose (BCG). As demais devem ser administradas de acordo com o Calendário Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde.

vacinação infantil

O que são vacinas?

Vacinas são fundamentais para a prevenção de doenças como poliomielite, gripe, tuberculose e hepatite. Elas estimulam o corpo a se defender contra vírus e bactérias que provocam doenças. Podem ser aplicadas por meio de injeções ou por via oral (pela boca).

Quando a pessoa é vacinada, seu corpo detecta a substância da vacina e produz anticorpos que defendem o organismo. Esses anticorpos permanecem no corpo, deixando-o imune. Certas vacinas precisam ser aplicadas periodicamente ou mais de uma vez durante a infância e a adolescência. Outras são aplicadas em apenas uma dose na vida.

Vacina contra tuberculose (BCG)

A BCG protege contra as formas graves de tuberculose. A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta principalmente os pulmões, mas pode ocorrer em outras partes do corpo, como gânglios, rins, ossos e intestinos. Ela é causada por bactérias e transmitida pelo ar. Em casos graves, pode causar dificuldades para respirar, eliminação de grande quantidade de sangue, colapso do pulmão, fraqueza e levar a morte.

A vacina BCG é aplicada na maternidade, após o nascimento, por uma injeção no braço direito. Uma única dose é necessária, mas o Ministério da Saúde recomenda que seja aplicado o reforço entre seis e dez anos de idade.

Após cerca de um mês de aplicação da BCG, ocorre a reação da vacina, identificada como uma marquinha no local. A lesão cicatriza sozinha.

Vacina contra a hepatite B

A hepatite B é uma doença causada por vírus e que provoca mal-estar, febre, dor de cabeça, fadiga, dor abdominal, náuseas, vômitos e aversão a alguns alimentos. Ela é conhecida por deixar a pele do doente amarelada.

A doença é grave, pois pode levar a uma infecção crônica (permanente) do fígado e até ao câncer no fígado. A vacina é aplicada na coxa do bebê recém-nascido, ainda na maternidade, até 12 horas após o nascimento. A segunda dose deve ser aplicada com um mês de idade e a terceira dose, com seis meses.

Vacinação infantil para prematuros

Para bebês prematuros, as regras de vacinação na maternidade não necessariamente são as mesmas. A vacina BCG só deve ser aplicada quando a criança atingir peso superior a 2kg. No entanto, a dose deve ser administrada o mais cedo possível, preferencialmente quando ainda estiver na maternidade.

Já para a vacina contra hepatite B, a regra é a mesma: a vacina deve ser aplicada nas primeiras 12 horas de vida. No entanto, em bebês com menos de 2 kg ou idade gestacional menor do que 33 semanas, indica-se o total de quatro doses e não de três. A última deve ser dada ao completar seis meses de vida.



Referências bibliográficas

Ministério da Saúde (Cartilha de Vacinas: para quem quer mesmo saber das coisas/Cristina Toskano e Ligia Kosim)
Ministério da Saúde (Caderneta de Saúde da Criança – Passaporte da Cidadania)
Sociedade Brasileira de Imunizações (Calendário de Vacinação – Prematuro)
Sociedade Brasileira de Pediatria (Jornal de Pediatria, documento 1999;75(Supl 1):s149-s54)

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas

Média de 2,06 EstrelasBaseado em 18 votos

Loading...