Infertilidade: principais causas e tratamentos

SAÚDE

Infertilidade: principais causas e tratamentos

14 de dezembro de 2017, por Equipe Danone Baby

A infertilidade pode atingir homens e mulheres e ter causas distintas. Em muitos casos, é possível tratá-la com medicação, cirurgia ou procedimentos como a inseminação artificial.


Quando enfrentam dificuldades para engravidar, homens e mulheres devem procurar ajuda profissional para descobrir se há infertilidade. Hoje, há diversos testes que identificam a condição e suas causas. Felizmente, também há tratamentos que podem reverter a situação e trazer um novo integrante para a família.

Infertilidade

De acordo com o Sistema Nacional de Saúde da Inglaterra, mais de 80% dos casais em que a mulher tem menos de 40 anos podem conceber naturalmente no período de um ano, desde que façam sexo desprotegido regularmente. Isso significa ter relações sexuais a cada dois ou três dias sem usar nenhum método contraceptivo.

O que é infertilidade?

Infertilidade é uma condição do sistema reprodutivo que impede a concepção de crianças e pode afetar homens e mulheres. Concepção e gravidez são processos que envolvem certos fatores:

– Produção de espermatozóides saudáveis pelo homem;

– Produção de óvulos saudáveis pelas mulheres;

– Trompas de falópio desbloqueadas e saudáveis para que o espermatozóide possa chegar ao óvulo;

– A habilidade do espermatozóide fertilizar o óvulo para criar um embrião. Em seguida, o embrião deve ser capaz de se implantar no útero da mulher;

– As condições hormonais da mulher devem estar equilibradas para que o embrião possa se desenvolver.

Principais causas da infertilidade

A causa mais comum da infertilidade em homens é a azoospermia, uma condição em que o organismo não produz espermatozóides. Quando ejacula, o sêmen simplesmente não contém as células reprodutivas masculinas. Outra condição similar é a oligospermia. Nesse caso, o homem produz espermatozóides, mas em baixa quantidade ou pouco saudáveis.

Outra causa da infertilidade em homens são doenças genéticas como a fibrose cística e anormalidades cromossômicas.

A principal causa da infertilidade em mulheres são as desordens ovulatórias, pois prejudicam a produção de óvulos. Trompas de falópio bloqueadas, endometriose, problemas congênitos (“de nascença”) e fibrose uterina também estão associados à infertilidade e abortos contínuos. Além disso, o envelhecimento pode afetar a capacidade de reprodução.

Quando procurar o médico

Quando o casal está tentando engravidar há mais de um ano, a consulta com o ginecologista pode ser indicada para descartar qualquer problema. Muitas vezes, questões emocionais podem influenciar a contracepção – principalmente quando a espera é longa e os parceiros ficam ansiosos. Conversar com o médico é forma de acalmar os ânimos.

Em certos casos, é aconselhável procurar o médico antes do período de um ano. Mulheres com mais de 36 anos, por exemplo, podem apresentar quedas na taxa de fertilidade. Pessoas que já passaram por um tratamento de câncer ou suspeitam ter contraído uma doença sexualmente transmissível (DST) também devem procurar aconselhamento profissional.

O ginecologista provavelmente irá perguntar:

1 – Se a mulher já tem filhos e se houve complicações nas gravidezes anteriores, como abortos espontâneos;

2 – Há quanto tempo o casal está tentando engravidar;

3 – Com que frequência o casal faz sexo e se há algum problema na vida sexual;

4 – Há quanto tempo o casal parou de utilizar métodos contraceptivos;

5 – Solicitar o histórico médico e questionar como o casal está se sentindo para cogitar a possibilidade de problemas de saúde, como DSTs;

6 – Perguntar se a mulher fuma, consome drogas ilegais, quanto álcool ingere e se está estressada ou com problemas emocionais.

7 – Fazer um exame físico na mulher para checar a área pélvica para infecções ou caroços que podem ser sintomas de doenças como tumores ovarianos ou endometriose.

8 – Pesar a mulher.

9 – Solicitar um exame físico para o homem para avaliar seus testículos e pênis, identificando qualquer anormalidade.

Após os exames físicos, o médico poderá solicitar outros testes.

Testes de fertilidade para mulheres

– Exame de sangue

O exame avalia a quantidade do hormônio progesterona para descobrir se a mulher está ovulando ou não. O teste geralmente é feito em mulheres que têm o ciclo menstrual regulado. No caso dos ciclos irregulares, há um teste que mede a quantidade do hormônio gonadotrofina, responsável por estimular o ovário a produzir óvulos.

– Clamídia

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível que pode afetar a fertilidade quando não tratada. O ginecologista usa uma espécie de algodão para coletar amostras do cérvix da mulher e testar a presença da doença.

– Ultrassom

O ultrassom pode ser utilizado para verificar os ovários, útero e trompas de Falópio. O exame poderá identificar diversas doenças ou malformações nos órgãos, como bloqueios das trompas.

– Raio-X

O ginecologista pode solicitar um tipo específico de raio-X que utiliza um corante para visualizar as trompas de Falópio e procurar por possíveis bloqueios.

– Laparoscopia

A laparoscopia envolve fazer um pequeno corte na parte inferior da barriga e inserir um tubo fino com uma pequena câmera na ponta para examinar útero, trompas e ovários. Geralmente, o exame só é utilizado quando a mulher já teve algum episódio de doença inflamatória pélvica no passado ou se houver suspeita de bloqueio dos tubos.

Testes de fertilidade para homens

– Análise do sêmen

O teste analisa o sêmen para verificar se há baixa contagem de espermatozoides e se eles estão se movimentando corretamente.

– Teste de clamídia

O homem também deve ser testado para clamídia, pois a condição pode afetar sua fertilidade.

Tratamentos para infertilidade

O tratamento mais adequado para cada pessoa depende da causa da infertilidade. É possível utilizar remédios, procedimento cirúrgicos ou concepção assistida.

Geralmente, os medicamentos são utilizados para estimular a produção de óvulos quando a mulher tem alguma condição que prejudica sua ovulação. Homens também podem se beneficiar dos remédios para aumentar a fertilidade. Essas medicações costumam causar efeitos colaterais e o médico deve acompanhar o tratamento de perto.

Há três opções de procedimentos cirúrgicos:

– Reparo das trompas de falópio

Se as trompas da mulher estão bloqueadas ou danificadas, é possível fazer uma cirurgia para repará-las. No entanto, o sucesso do procedimento irá depender de quão danificada as estruturas estão.

– Laparoscopia

Além de investigar problemas no aparelho reprodutivo, a laparoscopia pode reparar condições como endometriose ou remover miomas que crescem no útero.

– Reparos no aparelho reprodutor masculino

Se houver qualquer defeito no aparelho reprodutor masculino, o profissional de saúde tentará repará-los por cirurgia.

Por fim, é possível fazer a concepção assistida. Veja os procedimentos possíveis:

– Inseminação artificial

O procedimento envolve inserir o esperma no útero utilizando um tubo de plástico. O profissional de saúde seleciona os melhores espermatozoides para ter mais chances de funcionar.

– Fertilização in vitro

Nesse caso, o óvulo é fertilizado pelo espermatozóide fora do útero. A mulher toma uma medicação específica para encorajar o ovário a produzir mais células reprodutivas. Após fertilizados, os embriões são implantados no útero.

– Doações de óvulos e espermatozoides

Se um dos parceiros tem problemas de infertilidade, pode receber óvulos ou espermatozoides doados por uma terceira pessoa. Para isso, é preciso acessar um banco de doações onde há óvulos e espermatozoides doados.



Referências bibliográficas

Bibliografia: American Pregnancy Association (“What is infertility?”)
Site Oficial do Sistema de Saúde da Inglaterra – NHS (“Diagnosis and fertility tests”)