publicada em 11/04/2012

ASSUNTO :       Amamentação

A importância do leite materno



Entenda porque esse deve ser o único alimento do seu filho até os seis meses de vida

 

Proteção, carinho, higiene e alimentação. Quando o seu filho acaba de chegar ao mundo, ele depende de você para realizar todas as suas necessidades básicas. Entre tantos cuidados fundamentais para a sua formação, é importante dar atenção especial à alimentação.

 

Afinal, o bebê precisa mesmo do leite da mãe? “O alimento atende a todas as necessidades nutricionais do lactente”, afirma Ary Lopes Cardoso, pediatra e chefe da Unidade de Nutrologia do Instituto da Criança da Faculdade de Medicina da USP. “O recém-nascido necessita do leite materno para continuar a sua etapa de crescimento e desenvolvimento fora do útero”, complementa. Além disso, ele fornece ao bebê anticorpos importantes contra uma série de doenças, como infecções auriculares e respiratórias.

 

Durante o desenvolvimento da criança, a composição do leite materno vai mudando e se adaptando às necessidades do organismo infantil. Seus principais estágios de produção são: colostro, leite de transição e leite maduro. Cada uma dessas fases fornece ao bebê os nutrientes necessários para o crescimento saudável, como: carboidratos, gorduras, prebióticos, proteínas, cálcio, fósforo, vitaminas e ferro, todos disponíveis de forma balanceada.

 

Até os seis meses de idade, o leite materno deve ser o único alimento do bebê. Depois desse período ele começa a receber os alimentos complementares, que são: as frutas e sucos de frutas, chás, água, legumes, verduras e carne na forma de papas ou purês. Mas isso não significa que seu bebê deva parar de mamar. O leite materno é recomendado até os 2 anos de idade, de acordo com o Ministério da Saúde e a OMS (Organização Mundial da Saúde).

 

É importante lembrar que o leite comum (leite de vaca) possui uma composição muito diferente do leite humano, com inadequações em macronutrientes (carboidrato, proteína, gordura) e micronutrientes (vitaminas e minerais) que são essenciais para o desenvolvimento dos bebês. A Sociedade Brasileira de Pediatria não recomenda a oferta de leite de vaca integral ou desnatado (líquido ou em pó) e seus derivados (queijos, iogurtes, etc.) no primeiro ano de vida.

 

Se por algum motivo, a mãe não puder amamentar, ou não tiver leite suficiente para todas as mamadas do bebê, deverá consultar um profissional de saúde.

Gostou? Então compartilhe:


Enviar por e-mail Imprimir