Sling: benefícios e cuidados necessários para usar o método com seu bebê

DESENVOLVIMENTO

Sling: benefícios e cuidados necessários

24 de fevereiro de 2018, por Debora Stevaux

Saiba os benefícios do método milenar para carregar as crianças e fique atento aos cuidados para que o uso seja seguro


Apesar de registros milenares nos quais mulheres já usavam método semelhante para carregar os filhos, o sling da forma que o conhecemos hoje foi idealizado no ano de 1979, por médicos do Instituto Materno Infantil de Bogotá, como uma maneira bem-sucedida de melhorar os cuidados intensivos e necessários com prematuros. Os resultados dessa primeira amostra foram surpreendentes: a mortalidade de bebês que vieram ao mundo antes de completar 9 meses de gestação diminuiu significativamente.

Alguns especialistas chamam o sling de facilitadores de colo, por um motivo óbvio: o paninho facilita, de fato, a posição dos filhos no colo dos pais. (Foto: iStock)

Estudos científicos realizados pelos doutores idealizadores Hector Martinez e Reys Sanabria concluíram que o uso do pano, além do baixo custo financeiro, é capaz de estimular o vínculo materno, permitir uma melhor regulação da temperatura do corpinho da criança e favorecer o aleitamento materno, devido à proximidade e o contato da pele da criança com a da mãe. Portanto, a invenção que surgiu para ser utilizada por mães com filhos prematuros ganhou popularidade e hoje possui milhares de adeptos ao redor do mundo.

Além de uma grande variedade de modelos e tipos, há também uma vasta gama de amarrações. O sling de argolas, wrap sling e o pouch sling são três dos mais comuns.

Benefícios do sling

Na posição de canguru, o seu filho estará posicionado de modo que a sua cabecinha estará mais perto do seu coração. Ao ouvir com precisão as batidas do coração da mãe, visto que a audição é um dos poucos sentidos completamente desenvolvidos antes mesmo do nascimento, os bebês tendem a apresentar melhora no desenvolvimento neurológico, comportamental, psicológico e afetivo.

A posição também favorece o aleitamento, pois as mães poderão dar de mamar com maior facilidade, visto que o bebê está bem próximo do peito materno. O contato pele a pele com a mãe também reduz significativamente as chances dos pequenos desenvolvam infecções hospitalares, principalmente os prematuros e recém-nascidos. O cheiro e o toque da mãe acalma: diminuindo o estresse infantil, muito comum durante os primeiros meses de vida, caracterizado por ser um grande período de adaptação. Outro fator benéfico, nesse caso, é o aumento significativo da autoconfiança dos pais de primeira viagem com os cuidados e o manuseio dos filhos.

Alguns especialistas chamam o sling de facilitadores de colo, por um motivo óbvio: o paninho facilita, de fato, a posição dos filhos no colo dos pais. Além de uma gama gigantesca de modelos e tipos, há também uma vasta gama de amarrações. O sling de argolas, wrap sling e o pouch sling são três dos mais comuns. Porém, é importante que as mães que estão a fim de usar o produto, tomem alguns cuidados, que vão desde o material utilizado na produção até a forma de colocá-lo. O rostinho da criança sempre deve estar descoberto, para não prejudicar sua movimentação e respiração.

Além disso, embora o método canguru seja sinônimo de praticidade, os pais não devem fazer movimentos bruscos ou de grande impacto, que podem representar algum tipo de risco para as crianças. O paninho também deve possuir uma tensão adequada na sua amarração, de modo que não aperte ou comprima o corpo da criança, que pode provocar dores e desconforto. Também preste atenção no tipo de tecido usado, que deve ser hipoalergênico, para evitar o aparecimento de alergias na pele sensível do pequeno e esteja livre de metais pesados e outras substâncias que podem ser nocivas.

Conforme os pequenos forem crescendo, eles poderão ser colocados em outras posições, e não somente de frente para seu cuidador, mas isso dependerá do quão firminho está seu tronco e a sustentação da sua cabeça. Portanto, ele poderá ser posicionado de costas para o peito dos pais e ser colocado nas costas, como uma pequena mochilinha, de acordo com o modelo do sling. Assim, o bebê estará muito mais seguro e poderá apreciar a paisagem, e suas costas agradecem pois o peso estará melhor distribuído, sem sobrecarregar os ombros.

Confira abaixo um vídeo que mostra três formas diferentes de usar o sling:



Referências bibliográficas

Ministério da Saúde – Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – “Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso – O Método Canguru”, 2011.

Universidade do Estado de Santa Catarina – “Análise comparativa da fadiga muscular nos adultos após o transporte de bebês com e sem o auxílio de carregadores”.