DESENVOLVIMENTO

Por que o momento de trocar fralda é tão importante?

03 de julho de 2018 , por Equipe Danone Baby

Para além de higienizar o bebê e mantê-lo limpo e fresquinho, trocar fralda é uma oportunidade rica para brincar e estreitar vínculos


Já parou para pensar em quantas vezes os pais precisam trocar fralda dos seus filhos até que eles comecem o processo de desfralde? É praticamente impossível contar, mas para além da higiene – que deve ser rigorosa para evitar a proliferação de bactérias e o surgimento de alergias e assaduras – a troca representa um momento de cuidado e carinho. Entre os dois e três meses de idade, os bebês já são capazes de reconhecer o rosto de quem cuida deles, segundo diversos estudos. Por isso, essa função corriqueira representa uma forma de estreitar vínculos.

Estudos da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal e Instituto Fazendo História sobre o desenvolvimento e o acolhimento de bebês  sugerem conversar e brincar com seu pequeno durante a troca de fralda, tocando-o suavemente. Veja as orientações das instituições a seguir:

Sorria e converse com o pequeno: Fale que ele está sendo trocado porque fez xixi ou cocô e que sua roupa será retirada para que ele fique bem limpo, cheiroso e fresquinho. O bebê fica mais calmo quando antecipamos ou nomeamos de forma clara o que está acontecendo ou o que vem a seguir. É importante não demonstrar desgosto pelo que está na fralda. Dessa forma, você ensinará ao bebê a associar o cocô a algo natural, ligado ao funcionamento do próprio corpo, além de transmitir noções sobre higiene e cuidado.

Estimule as brincadeiras: É muito comum recorrer a um brinquedinho para distrair o bebê, principalmente se ele já estava brincando antes da troca de fralda. Porém, é importante ressaltar que o ato de brincar é muito mais interessante que brinquedos prontos, já que oferece uma gama maior de estímulos e de possibilidades de interação entre o bebê e quem troca sua fralda. Algumas opções: pergunte ao bebê onde estão suas mãozinhas, seus pés, ou recorra ao tradicional “Cadê? Achou!” escondendo seu próprio rosto ou partes do corpo da criança com um paninho, toalha ou roupa. Para além da diversão, essa brincadeira ajuda o bebê a reconhecer seu “eu” e a desenvolver sua autonomia. Também vale cantar cantigas ou músicas sobre o xixi e o cocô, como e por que eles aparecem.

Toque o bebê com suavidade: Evite pressa e afobação. Através desse toque que deve ser, acima de tudo, atencioso e educado, você vai perceber quais são as preferências do bebê e do que ele não gosta que seja feito. Embora ainda não fale, ele vai responder com movimentos e semblantes de satisfação ou incômodo e poderá até ajudar, aos poucos. Ao perceber que ele reage negativamente ao toque, é possível tentar outro que seja mais suave. A partir daí, você pode conhecer o bebê e estreitar seu vínculo com ele. Por sua vez, ele vai construindo traços da própria autonomia e personalidade. Aproveite para fazer massagem e carinho na sua barriga.



Referências bibliográficas

Simion, F., Di Giorgio, E. Padova University – “Face perception and processing in early infancy: inborn predispositions and developmental changes” https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4496551/

Instituto Fazendo História – “O acolhimento de bebês: Práticas e reflexões compartilhadas”.
https://static1.squarespace.com/static/56b10ce8746fb97c2d267b79/t/56bcc62e22482e51302a23be/1455212084664/livro_pbb_web.pdf

Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido – “How to change your baby’s nappy”.
https://www.nhs.uk/conditions/pregnancy-and-baby/nappies/

Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal – “Fundamentos do desenvolvimento infantil”.
http://www.fmcsv.org.br/pt-br/acervo-digital/Paginas/Fundamentos-do-desenvolvimento-infantil.aspx

Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal – “Fundamentos da família como promotora do desenvolvimento infantil – Parentalidade em foco”.
http://www.fmcsv.org.br/pt-br/acervo-digital/Paginas/fundamentos-da-familia-como-promotora-do-desenvolvimento-infantil-parentalidade-em-foco.aspx