Como lidar com as "nojeiras" comuns nos primeiros anos de vida

COMPORTAMENTO

Mexer no cocô e comer “caca” de nariz: como lidar com as “nojeiras” dos primeiros anos de vida

23 de fevereiro de 2018, por Debora Stevaux

Noções do que é certo e errado, nojento, adequado ou não para determinado momento são construções sociais e demandam tempo


Comer meleca ou então sair grudando caca de nariz por todos os cantos da casa – às vezes na própria roupa ou corpo. Isso sem contar as ocasiões em que mexem no cocô ou no xixi sem nenhum nojo ou colocam o pé sujo na boca, lambem o chão etc.

Lamber o chão e colocar na boca areia por onde circulam animais pode favorecer a contaminação por bactérias e outros microrganismos, como parasitas e bichos geográficos. (Foto: iStock)

“Além de ser um momento de descoberta, eles também estão tentando impor controles e limites. Então, ver o quão desagradáveis podem ser uma maneira de testar limites”, afirma Michelle Maidenberg, psicoterapeuta e diretora clínica da Westchester Group Works, um mais conceituados centros terapêuticos de Nova Iorque.

A especialista explica que as noções do que é certo e errado, nojento, adequado ou não para determinado momento ou situação são construções sociais e demandam tempo, paciência, disponibilidade e orientações diárias para se formarem.

Bebês e crianças mais novas são desbravadores de si mesmos e do que está à sua volta e, embora seja desconfortável ver o próprio filho comendo caca de nariz, isso pode funcionar como um estímulo para ele sentir a textura e o sabor de algo que faz parte do próprio corpo.

No entanto, alguns comportamentos podem representar riscos para a saúde do pequeno, visto que o sistema imunológico não está completamente fortalecido durante os primeiros anos de vida. Lamber o chão e colocar na boca areia por onde circulam animais pode favorecer a contaminação por bactérias e outros microrganismos, como parasitas e bichos geográficos.

Para evitar situações como essa, o mais indicado é tentar explicar ao pequeno o perigo, mas sem assustá-lo. No caso em que a “nojeira” não é nociva, como cutucar o nariz, o melhor é ignorar. Se você mostrar que não se importa e não responder com a reação irritada – que pode ser extremamente divertida para eles –, é provável que parem de fazer o que estão fazendo.



Referências bibliográficas

Série Fundo do Milênio para a Primeira Infância – Cadernos Pedagógicos – volume 2 – “A Criança Descobrindo, Interpretando e Agindo sobre o Mundo”, 2005.

Sociedade Mineira de Pediatria – “Cuidados com as crianças ao viajar: medidas preventivas para a saúde e para acidentes”.

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul – “A Atenção à Saúde da criança de zero a cinco anos de idade”, 2004.